-


Doulas de atuação particular

Também conhecidas por "acompanhantes de parto" ou "monitoras perinatais", é comum que essas profissionais também ofereçam a preparação para o parto. Durante a gestação elas dão aconselhamento e educação para o trabalho de parto e pós-parto com enfoques variados, de acordo com a formação de cada uma.

Quando a cliente entra em trabalho de parto, a doula passa a acompanhá-la, dando sugestões, oferecendo massagens, incentivando, mostrando ao companheiro como ele pode ser útil e informando ao casal tudo o que está acontecendo.

A doula então acompanha o casal ao hospital, maternidade, casa de parto ou mesmo ficando em casa, se o casal optou por um parto domiciliar. Até que o parto tenha acabado e todos estejam bem acomodados, com o bebê tendo recebido sua primeira mamada, a doula permanece ao lado da mãe. Após o parto a família ainda recebe algumas visitas para esclarecimento de dúvidas e apoio emocional.

A formação das doulas particulares é feita individualmente, cada uma com sua bagagem e experiência. Algumas são psicólogas, outras fisioterapeutas, professoras de yoga e várias outras formações. No Brasil o primeiro curso de formação de doulas particulares aconteceu em 2001, em Campinas.

Doulas de atuação institucional (ou comunitárias)

Muitos hospitais públicos que aderiram a algum projeto de humanização do parto abriram espaço para um grupo de doulas voluntárias.

Algumas instituições oferecem ajuda de custo, mas que não configura um "salário" ou uma remuneração por um cargo oficial. Mais comumente, no entanto, essas doulas trabalham volutariamente, doando algumas horas de sua semana a outras mulheres.

Essas doulas geralmente provêm da própria comunidade servida por aquela instituição e oferecem conforto e apoio às parturientes que vão chegando ao hospital, dentro de seu período de expediente. Embora não conheçam as parturientes previamente, são de grande ajuda já que a equipe da enfermagem pode apenas oferecer poucos minutos a cada parturiente.

As doulas voluntárias geralmente não possuem qualquer formação na área de saúde e são treinadas pela equipe do hospital. Sua atuação é bastante instintiva, mas muito eficiente. As parturientes em geral não trazem acompanhantes e a presença de uma mulher dando apoio, oferecendo um carinho e palavras de encorajamento faz uma grande diferença.

Ana Cris Duarte
Doulas.com.br

Fonte: